Descoberta uma nova espécie de árvore na Mata Atlântica

Uma nova espécie árborea de grande porte de matas bem preservadas foi descoberta na Mata Atlântica da região sudeste do Brasil. Conhecida popularmente como canela, a espécie pertence ao gênero Ocotea, um dos mais representativos da flora do estado de São Paulo.

A descoberta, publicada na revista científica Heringeriana, foi feita pelos pesquisadores João Batista Baitello e Marcelo Leandro Brotto, respectivamente, do Instituto Florestal (SP) e do Museu Botânico Municipal (MBM) de Curitiba.

Em ambientes preservados, ela pode atingir até 40 metros de altura. Então, como uma árvore tão grande nunca havia sido identificada? Analisando o acervo de espécies coletadas no Parque Estadual da Cantareira, Baitello, em uma análise mais detalhada, observou características distintas entre indivíduos catalogados como Ocotea dispersa (canela-sassafrás), posteriormente, provando que se tratavam, sim, de espécies diferentes.

A nova espécie recebeu o nome científico Ocotea koscinskii Baitello & Brotto. O nome é uma homenagem ao botânico polonês, radicado no Brasil, Mansueto Koscinski, um dos principais incentivadores de estudos botânicos no país. Foi um dos responsáveis pelo início da coleção botânica que hoje é o Herbário Dom Bento José Pickel (SPSF), acervo botânico oficial do Instituto Florestal.

Até o momento, está confirmada na Área de Proteção Ambiental (APA) Capivari-Monos, na região sul da cidade de São Paulo, e em quatro Parques, dois estaduais, o Parque Estadual da Cantareira e o Parque Estadual da Ilha do Cardoso no estado de São Paulo e, dois nacionais, o Parque Nacional da Serra dos Órgãos e o Parque Nacional de Itatiaia, no estado do Rio de Janeiro. Também foi confirmada na Reserva Natural Salto Morato, no estado do Paraná.

 

João Batista Baitello, pesquisador do IF, descobriu a nova espécie