SMA fecha aterro privado que operava de forma irregular em Osasco

Desde o começo do ano foram interditados 16 espaços que funcionavam fora das normas estipuladas pela Cetesb em todo o Estado

A Secretaria do Meio Ambiente fechou mais um aterro sanitário que operava de maneira irregular nesta terça-feira, 18. O local funcionava na cidade de Osasco, na Grande São Paulo.

De acordo com a Cetesb (Companhia Ambiental de São Paulo), o aterro, que era operado por uma empresa privada, estava com um volume quase 10% superior ao permitido. Mesmo assim, funcionava normalmente e recebia cerca de 800 toneladas de lixo diariamente.

Desde o ano passado, a companhia intensificou a fiscalização a este aterro. Os proprietários do local já haviam sido multados em cerca de R$200 mil por operar de maneira irregular. A punição foi aplicada em janeiro deste ano.

“Esta foi mais uma operação do programa ‘Lixão Zero’ da Secretaria do Meio Ambiente que desde dezembro vem fiscalizando os aterros municipais e também os privados. Nós fechamos 15 aterros municipais e este é o primeiro privado que é fechado pela secretaria, pois descumpria uma ordem de embargo”, disse o secretário Ricardo Salles.

Segundo o chefe da pasta do Meio Ambiente do Estado, o local foi interditado de maneira definitiva e não poderá mais receber nenhum tipo de resíduo. “Caberá agora a empresa fazer um plano de readequação e recondicionamento de todo o material que foi aqui descartado inadequadamente”, afirmou Salles.