A fabulosa biodiversidade do Cerrado

Diversidade do cerrado (fotos: Carolina Kors Tibério e  Luís felipe Figueiredo)
Diversidade do cerrado (fotos: Carolina Kors Tibério e Luís Felipe Figueiredo)

O Cerrado é a representação do bioma savana no Brasil, ocupando cerca de um quarto do território nacional, onde predominam paisagens formadas por árvores esparsas sobre campos graminosos. O Cerrado compreende também campos limpos e veredas, sem árvores; o cerradão e as matas-galeria, que são tipos florestais. O mosaico de fisionomias depende das condições de solo e clima, a biomassa da vegetação tende a ser maior quanto menor for o período de deficiência hídrica.  A conservação de toda a enorme biodiversidade de plantas (mais de 12 mil espécies) e animais endêmicos do Cerrado depende da preservação de todas as peças do mosaico e da manutenção dos processos naturais de distúrbio, que evitam a homogeneização da vegetação. 

Cerrado: o berço das águas do Brasil

Diferente das savanas africanas e australianas, no Cerrado, os rios são perenes, quando estão protegidos, produzindo água mesmo durante a estação seca. A produção de água no Cerrado é elevada porque as árvores pequenas e esparsas permitem que praticamente toda a água da chuva chegue ao solo, geralmente, arenoso, profundo e coberto por gramíneas, funcionando como uma esponja. Além disso, a vegetação de baixa biomassa extrai pouca água do solo, em comparação com as florestas, e o excedente vai abastecer as nascentes e recarregar os aquíferos subterrâneos. Por ocupar as terras elevadas do Planalto Central, o Cerrado protege as cabeceiras e abriga as nascentes dos córregos que abastecem oito das doze regiões hidrográficas brasileiras, destacando-se as bacias dos rios: Paraná, São Francisco, Paraguai, Xingu, Araguaia, Tocantins e Parnaíba. Oito das dez maiores usinas hidrelétricas do Brasil dependem das águas desses rios. Portanto, as populações humanas, a agropecuária e as indústrias brasileiras dependem das nascentes do Cerrado.

A beleza das flores e o sabor dos frutos do Cerrado

Para quem olha à distância, o Cerrado parece ser um ambiente hostil, com suas plantas de aspecto seco, pouca folhagem e muitos capins. Porém, além de esconder grande riqueza de animais endêmicos e emblemáticos, como o tamanduá-bandeira, o tatu-canastra e a ema, entre muitos outros, o Cerrado esconde também plantas de rara beleza e frutos saborosos.  Destacam-se, pelas flores, as plantas dos gêneros Mandevilla, Kielmeyera, Paepalanthus, Evolvulus, Vellozia, Aspilia, Chresta; que, muitas vezes, florescem antes mesmo da chegada das chuvas, especialmente após a passagem do fogo. Pelos frutos saborosos e nutritivos destacam-se as gabirobas (Campomanesia spp.), pequis (Caryocar spp.), marmeladas (Alibertia spp.), marolos (Annona spp.) e araçás (Psidium spp.); que, além de fornecerem alimento para a fauna, proporcionam experiências inigualáveis para o paladar dos humanos que os experimentam.

Texto: Giselda Durigan