Áreas Protegidas

As Unidades de Conservação e as demais áreas protegidas pelo Brasil e pelo mundo constituem a principal estratégia para a conservação da biodiversidade, contribuem para a redução da extinção de espécies, garantem serviços ecossistêmicos fundamentais, conservam espaços naturais significativos, cultural e socialmente (IUCN, 2009), permitem a manutenção de culturas tradicionais, oferecem a oportunidade de promover o desenvolvimento de sociedades sustentáveis e a participação cidadã na gestão ambiental pública.

De acordo com a Constituição Federal (Artigo 225), a Educação Ambiental objetiva desenvolver na sociedade capacidades para que todos os cidadãos possam proteger e defender o meio ambiente, exercendo o controle social sobre a apropriação dos recursos ambientais. Intenciona-se com a Educação Ambiental garantir à população a promoção da equidade em seu direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado.

A Educação Ambiental consiste em um dos dez princípios da Política Nacional de Meio Ambiente, deve ser promovida pelo Estado junto a todos os níveis de ensino e também junto à comunidade, para que sejam desenvolvidas as capacidades necessárias as quais permitirão que grupos sociais específicos possam realizar intervenções coletivas, organizadas e qualificadas nos processos de apropriação social dos recursos naturais.

No âmbito do Sistema Ambiental Paulista, a gestão das Unidades de Conservação e das demais áreas protegidas estaduais é realizada pela Fundação para a Conservação e a Produção Florestal do Estado de São Paulo – Fundação Florestal (FF), pelo Instituto Florestal (IF), pelo Instituto de Botânica (IBt) e pela Coordenadoria de Parques Urbanos (CPU). A Coordenadoria de Educação Ambiental te se articulado com esses entes da administração pública para fomentar a Educação Ambiental nas áreas protegidas.

Plano de Trabalho Integrado com a Fundação Florestal

Por meio de um Plano de Trabalho Integrado, a Coordenadoria de Educação Ambiental fortaleceu sua parceria com a Fundação Florestal tendo em vista a concepção, realização e avaliação de projetos e atividades de Educação Ambiental nas Unidades de Conservação que estão sob sua gestão. A CEA vislumbra estabelecer ações integradas que possam contribuir no desenvolvimento, execução, fortalecimento e institucionalização do Programa de Educação Ambiental da Fundação Florestal, como política de gestão de Unidades de Conservação integrada à Secretaria de Meio Ambiente.

Educação Ambiental para a Gestão Socioambiental em Áreas Protegidas

As ações de Educação Ambiental nas unidades de conservação e demais áreas protegidas devem destacar frentes significativas para sua gestão e consolidação enquanto espaços educadores e espaços democráticos na gestão ambiental pública, considerando os diferentes públicos e os contextos sociais, econômicos, culturais e políticos, locais e regionais, nos quais cada área protegida se insere. Esta tarefa não é simples, e a promoção e o estímulo à capacitação, junto aos gestores das unidades de conservação e servidores do Sistema Ambiental Paulista que atuam nestas áreas é fundamental para formar educadores capazes de desenvolver processos formativos juntos aos grupos sociais envolvidos com a gestão da área.
Cerca de 60% das unidades de conservação gerenciadas pela Fundação Florestal desenvolvem, atualmente, atividades de Educação Ambiental. Os principais desafios que se apresentam são: expandir a educação ambiental a 100% das unidades de conservação; incorporar a educação ambiental como estratégia transversal de gestão, inserida em todos os Programas dos Planos de Manejo para além dos limites do uso público e responder ao questionamento recorrente de como as atividades de educação ambiental contribuem para a conservação e a sustentabilidade.
Neste contexto, a Coordenadoria de Educação Ambiental, conjuntamente com a Fundação Florestal, promoverá, ao longo de 2016, uma “Capacitação em Educação Ambiental para a Gestão Socioambiental em Áreas Protegidas”, direcionada aos servidores da Fundação Florestal envolvidos e atuantes na gestão das unidades de conservação, mais especificamente, gestores e assistentes técnicos.

Plano de ação em Educação Ambiental na Comissão Pró-primatas

Frequentemente, as discussões que englobam as principais dificuldades ou condicionantes para implantação efetiva das políticas ambientais são concluídas com o reconhecimento da necessidade de envolvimento e comprometimento da população e, portanto, de processos de educação ambiental que propiciem sensibilização, compreensão e engajamento de todos.
As ações relacionadas à fauna e proteção da biodiversidade necessitam de atuação direta com a sociedade, tendo como ponto de partida a divulgação de informações, de maneira a relacioná‐las com os eventos do cotidiano.
A proposta é que as ações para preservação dos primatas paulistas aconteçam em dois momentos diferentes. Em um primeiro momento, as ações contemplariam o público em geral, com o objetivo de divulgar a Comissão Pró‐primatas e divulgar as espécies de primatas que ocorrem no Estado de São Paulo.
Posteriormente, as ações seriam voltadas para um público específico – as comunidades do entorno das Unidades de Conservação com ocorrência de primatas. Tais ações serão desenvolvidas conjuntamente com os executores dos Planos de Ação para cada espécie, bem como os gestores das Unidades de Conservação e pesquisadores, observando‐se que em cada local há diferentes ameaças e diferentes possibilidades de atuação.

  • 1º Momento: Divulgação de informações para o público em geral
  • Ação 1 – Elaboração de material didático‐informativo
  • Ação 2 – Criação da página do FB dos Pró‐primatas
  • Ação 3 – Realização de Campanha de Divulgação – “Você conhece os primatas de São Paulo?” *no Metrô, EMTU e Trens da CPTM (em estudo)
  • 2º Momento: Atuação para público específico – área de entorno das Unidades de Conservação de ocorrência das espécies (a ser iniciado no próximo ano)

Objetivo:

  • Divulgar a Comissão Pró‐primatas Paulistas
  • Levar ao conhecimento da população do Estado de São Paulo as espécies, suas características e importância da preservação dos primatas paulistas.

Links

Referências Bibliográficas

  • INTERNATION UNION FOR CONSERVATION OF NATURE – IUCN. Red list of Threatened
    Species. Switzerland: IUCN, 2009.