Dicas para Consumo

Palmito

  • Prefira o palmito originário do plantio sustentável, extraído das palmeiras real, pupunha e açaí. Estas últimas, nativas da Amazônia, bastante cultivadas no Estado de São Paulo, formam touceiras e geram “filhotes” que crescem com o corte do tronco principal;
  • A palmeira juçara, espécie típica de Mata Atlântica, se origina de uma semente e forma um tronco único, devendo ser sacrificada para a extração do palmito;
  • Antes de comprar um vidro de palmito, observe no rótulo a espécie de palmeira da qual foi extraído e o número de registro do produto no Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis – IBAMA e na Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA;
  • Nas churrascarias, pizzarias e restaurantes, verifique qual a origem do palmito servido à mesa. Em caso de dúvida, não consuma o produto;
  • Não compre, nunca, palmito comercializado na beira de estrada, principalmente “in natura”, pois são, geralmente, produto de extração ilegal;
  • Evite consumir o palmito picado, pois são, geralmente, de palmeiras de diâmetros variados, coletados ilegalmente.

Fruto

  • Experimente a polpa do fruto da juçara, conhecida como “açaí de juçara”, pela semelhança com o produto extraído do fruto do açaí;
  • O creme da polpa da juçara pode ser misturado a outras frutas como o cambuci e o maracujá, adquirindo um sabor singular;
  • A polpa da juçara possui antocianinas (antioxidantes e anti-radical livre) que retardam o envelhecimento, aumentam as defesas imunitárias e amenizam os efeitos da doença de Alzheimer;
  • O potencial energético da polpa aumenta quando agregada a outros componentes como o xarope de guaraná e a banana;
  • No Vale do Ribeira, no região Sul do Estado de São Paulo, a polpa da juçara também se transforma em sorvete, biscoitos e bolos;
  • Existem, atualmente, cerca de quatro projetos, ainda em fase experimental, de colheita do fruto e produção da polpa. Ao lado da preservação da palmeira juçara, os projetos promovem, também, a inclusão social das comunidades locais no processo, oferecendo oportunidades de trabalhos aos antigos palmiteiros que, abandonando a atividade ilegal de extração do palmito, passam a trabalhar na produção da polpa;
  • A grande vantagem dessa alternativa econômica é que a semente, mesmo após a extração da polpa, conserva as suas propriedades germinativas. Os projetos prevêem a disseminação dessas sementes no meio ambiente para aumentar a população da palmeira juçara.