Um projeto paisagístico, um processo educativo

Para que o Pomar alcançasse a população, era indispensável que despertasse seu interesse, que contasse com sua ajuda, restaurando o antigo sentimento de pertencimento. Assim, o projeto paisagístico enfrentou o desafio de resgatar algumas das características originais das margens do rio, adequando-as às condições atuais.

A mistura cuidadosa e precisa, orquestrada pelas equipes, resultou na harmoniosa combinação de Palmeiras Jerivá – árvore nativa símbolo do Pomar, vegetação arbustiva capaz de resistir às condições locais e árvores de médio porte, eleitas por não interferirem na fiação aérea.

O projeto paisagístico do Pomar toma como partido para sua identidade visual os mesmos princípios adotados pela educação moderna: a construção parte do que já existe, considerando e respeitando as características e necessidades locais.

Se em sala de aula o professor enxerga seu aluno como um indivíduo que traz consigo experiências para compartilhar, construindo assim sua identidade, o Pomar é composto pela combinação do esforço e desejo de parceiros e trabalhadores que compartilham experiências para vencer os obstáculos oferecidos pelos diferentes trechos do rio, de modo que a identidade de suas margens é desenhada pela diversidade. Por meio dela, a população se reconhece, e assim os laços de amizade com o rio voltam a se estreitar.

As pessoas, finalmente, lançam olhares orgulhosos para o Pinheiros.